Começam as cirurgias cardíacas eletivas

Procedimento de alta complexidade contribui para a qualidade de vida de crianças e adolescentes de todo o Estado

Para Gabriel Felipe, 10 anos, foi um presentão de aniversário. Para as crianças e adolescentes em todo o Estado que sofrem com anormalidades no coração, é chance de qualidade de cida. O início das cirurgias cardíacas eletivas (não emergenciais) no Hospital Materno Infantil de Joinville contribui para agilizar o atendimento a pacientes que necessitam do procedimento cirúrgico em Santa Catarina.

Pelo menos quatro cirurgias passam a ser realizadas mensalmente no HJAF, nesse momento inicial no qual o foco é a correção de cardiopatias congênitas, os defeitos decorrentes da má formação do coração. "A estrutura é excelente, temos todos os equipamentos e medicações, mas o principal é a capacidade técnica dos colaboradores, o que estamos trabalhando para aperfeiçoar sempre mais", avalia o Dr. Décio Abuchaim. Para tanto, a equipe do Centro Cirúrgico tem realizado treinamentos além de visita técnica a outros hospitais de referência.

Entre os equipamentos de ponta disponibilizados no Centro Cirúrgico está a Extracorpórea, necessária às cirurgias onde o coração precisa estar parado para que o procedimento seja realizado. O fluxo sanguíneo do paciente é desviado para a máquina que oxigena e medica o paciente durante a cirurgia, até que o coração retome seu funcionamento.

No dia 9 de junho, Gabriel Felipe comemorou o aniversário de 10 anos e a possibilidade de retomar a vida normal com as correções feitas pela cirurgia cardíaca.

O garoto estava afastado das atividades escolares devido aos frequentes desmaios. Quanto aos furos no coração, foram diagnosticados pela equipe de Cardiologia do Ambulatório do HJAF, o paciente de Barra Velha já teve a cirurgia agendada.

"Os médicos transmitiram muita segurança. Todos nos trataram co atenção, carinho, cuidado, valorizando o lado humano", conta a mãe. Dois dias depois, a criança já aguardava alta no quarto, sem necessidade de medicação e com excelente cictrização.

"Como vai ser a vida dele daqui pra frente? Uma vida sapeca," planeja a mãe ao ser interrompida. Gabriel está ansioso para brincr com os cachorros e fazer ainda mais a longo prazo. "Vou ganhar uma casa na árvore", conta.

O objetivo da cirurgia foi fechar a comunicação existente entre os 2 átrios (esquerdo e direito). O defeito cardíaco, que funciona como um curto-circuito, faz com qu o sangue chegue aos pulmões, podendo acarretar arritmias (pulsações descompassadas) e dilatação cardíaca.

Para fechar esssa comunicação, a equipe comandada pelos médicos Décio Abuchaim e Martin Burger utilizou tecido do pericárdio bovino, uma prótese comum em procedimentos como esse. A cirurgia, de alta complexidade, vai dar ao garoto uma vida normal, com acompanhamentos periódicos.

Fonte: Dr. Notícias, número 8, maio e junho / 2010


Voltar